Fatores como as características anatômicas de cada pessoa podem influenciar vários aspectos de seus corpos, como a flexibilidade de suas articulações e também a forma como elas pisam. Para muitos, a pisada pronada pode não parecer algo importante,  o que em muitos casos acaba sendo um erro. 

A forma como cada pessoa pisa é classificada pelos especialistas da área em três grupos: pisada neutra, pisada supinada e pisada pronada. Com tratamentos corretos, entretanto, podem ser amenizados os efeitos.

O que é pisada pronada?

Sendo assim, para entender mais sobre o assunto e como a fisioterapia pode ajudar a controlar a pisada pronada, é preciso compreender como ela se mostra e todos os demais detalhes que podem ser desencadeados por essa forma de pisar ao chão.

A pisada pronada se caracteriza por alguns detalhes. Ela se inicia na parte interna do calcanhar e se finaliza próximo ao dedão do pé. Isso faz com que o pé acabe distribuindo cargas de uma forma mais desproporcional e, com isso, acabe gerando sobrecargas em determinadas áreas. 

Uma das áreas mais afetadas por essas sobrecargas geradas pela pisada pronada é o arco do pé. Mas também são notados alguns efeitos de grande impacto em regiões como o dedão, tornozelo, calcanhar, joelho e até mesmo o quadril devido aos esforços realizados.

Por mais que essa seja uma condição com possibilidades de agravamento, estima-se que cerca de 50% da população mundial sofra com os problemas da pisada pronada. Vale mencionar que grande parte dos afetados pela condição são mulheres.

Como ela surge?

Em geral, a pisada pronada não traz grandes prejuízos se for acompanhada por um especialista. Entretanto, em casos mais severos, ela pode progredir ao ponto de ser necessário realizar uma cirurgia.

Porém, para evitar que isso ocorra, a fisioterapia pode auxiliar no processo de correção para alinhar e tornar a sua pisada pronada mais confortável, sem que ela venha a prejudicar a sua saúde – principalmente para os que praticam exercícios constantemente.

Deve-se destacar que a condição vem de criança, quando ela não consegue colocar a sola do pé no chão por inteiro. Essa curva que se forma ao tentar apoiar os pés no chão é conhecido como arco plantar e o seu desenvolvimento completo ocorre aos 6 anos.

Mas, por vários fatores, inclusive por questões genéticas, algumas crianças não concluem este processo e permanecem ficando com pé com esse formato, conhecido como pé chato. À medida que se cresce, os prejuízos podem aparecer através dos desvios, gerando complicações.

Riscos da pisada pronada

Por mais que se tenha a comprovação de que grande parte da população conta com a pisada pronada, é válido ressaltar que mesmo sendo um movimento natural realizado pelo corpo, o excesso de repetição aliado à carga despejada nos pés pode causar lesões e dores.

Mas isso tudo pode ser aliviado com boas práticas fisioterapêuticas, que tem o poder de contornar a pisada pronada e trazer benefícios para os seu dia a dia, evitando os riscos da condição.

Os riscos são ainda maiores para as pessoas que praticam exercícios constantemente, visto que elas acabam descarregando mais peso nos pés durante a prática de atividades. Há também um ponto a se destacar de que a pisada pronada pode ainda prejudicar a eficiência da corrida.

O desalinhamento do valgo é um dos problemas mais comuns que podem ser causados pela pisada pronada. Isso pode acontecer pelo fato de que as pessoas que têm este tipo de pisada possuem o costume de virar os joelhos para dentro involuntariamente.

O mesmo também pode ocorrer com os tornozelos. Por isso, essas são as partes mais afetadas pela pisada pronada. Os efeitos ainda podem prejudicar o alinhamento dos dedos, já que eles são comprimidos pela sobrecarga despejada nos pés.

Além disso, com o amortecimento incorreto, a pessoa com pisada pronada pode enfrentar questões como fascite plantar, tendinite de Aquiles, canelite, esporão de calcâneo e Síndrome do Túnel do Tarso.

 Como identificar a pisada pronada?

São várias as formas de identificar se a sua pisada é pronada. Entretanto, contar com um profissional é um dos métodos mais eficientes, visto que ele poderá te encaminhar para uma fisioterapia, que é o procedimento comum a se adotar nesses casos. 

Como são feitos os testes?

Caso você tenha notado a possibilidade de uma pisada pronada, tente primeiramente realizar o teste caseiro. Ele é feito da seguinte forma: molhe a sola do pé e caminhe sobre uma folha de papel ou jornal. Isso mostrará como é o seu arco.

Analise se a imagem deixada pelo pé molhado no papel se assemelha com a de um pé considerado chato. Se a resposta for sim, é importante buscar pela ajuda de um profissional logo em seguida, para que testes mais precisos como o scanner 3D e o baropodometria possam ser realizados.

O primeiro citado mostrará através de uma análise estática com um equipamento adequado como é a sua pisada. São mostradas dimensões do pé, o tamanho do arco plantar e se existe algum tipo de lesão ou deformidade que precisam ser reparadas com a fisioterapia ou demais procedimentos.

Já a baropodometria é feita também com um equipamento, chamado baropodômetro, que capta a pressão que é feita durante o processo de caminhada. Assim, ele mostrará como a pressão está sendo distribuída e como a fisioterapia poderá corrigir o problema.

Gostou deste conteúdo? Deixe nos comentários o que achou e não se esqueça de visitar as nossas redes sociais!